Sede no Brooklyn – LaLou, Prospect Heights, NY

Esse post tem uns 6 meses de atraso, assim como tantos outros entalados na ponta dos dedos numa espécie de artrose literária. Culpa da peste.

Passei alguns meses em Manhattan, no ano passado, por motivos diversos. Num surto de otimismo inabalável que durou uns cinco minutos e meio, tive certeza de que a tudo voltaria ao normal e rechearia este blog com inúmeras recomendações, mas não foi bem assim… 

Viagens ainda não eram permitidas, a Covid andava pelas esquinas e o mundo caminhava de máscara. 

Apesar da vida, essa teimosa, continuar acontecendo apesar do medo, recomendar restaurantes no exterior me pareceu um troço besta e anacrônico, a despeito de ter conhecido alguns que gostaria de revisitar em tempos menos dramáticos.

Ainda assim, foi falando de viagens e restaurantes fora do Brasil que esse quadrado nasceu há mais de 20 anos (antes bazzarfood.blogspot, depois crisbeltrao.blogspot) e sempre me alegra receber comentários animados dos leitores com dicas que dei. Além do mais, já que o câmbio, aquele mal-amado, não dá chance ao acaso, leio uma penca de jornais, revistas e a opinião de gente respeitada só para garantir uma refeição decente sem penhorar um rim. Se você teve a sorte de viajar, estamos aqui para ajudar.

O que anda me encantando? 

Refeições simples, ambientes nada pomposos e provar várias coisas pequenas acompanhadas de um bom copo de vinho. Pois tinha tudo isso no LaLou, no Brooklyn. 

O lugar é feito de uma tripa de mesas – gostosa e barulhenta – que fica diante de um bar que emenda na cozinha e termina num jardim coberto, ao fundo, para quem quer mais paz e distância entre as mesas. Naquele ambiente espartano, confesso que não esperava aqueles vinhos ou aqueles pratos.

Fui investigar. A casa é de Joe Campanale, sommelier respeitadíssimo que teve passagem pelo Babbo, é autor de “Vino, The Essential Guide to Real Italian Wine” e, ainda por cima, decidiu fazer vinho na Campania. Nada mal. Apesar de tanto pedigree, a equipe consigue explicar lindamente a carta que tem grande foco em Itália, França, Áustria e outros cantos adoráveis, sem muito blá blá blá. A foto foi do Ganevat pra contar vantagem, mas passeei por outros copos caros ou baratos com a mesma entusiasmo. Belo trabalho.

A alegria não pára nos vinhos, mas não espere exatamente um cardápio. Há meia dúzia de pequenos pratos com ingredientes excelentes, a começar pelo couvert. Vibrei com os pães e, também, com a enguia defumada com feijões brancos e caldo feito da carcaça do peixe. Mas incontornável, mesmo, foi o nada fotogênico repolho chamuscado com pasta de damascos, Jerez e um delicado molho de queijo azul Stilton. Tive vontade de pedir uma dúzia. 

Recomendo em noite despretensiosa povoada por desejos etílicos depois de uma visita ao Brooklyn Museum (são 16 minutos a pé). 

Saúde! (e saúde!)

laloubrooklyn.com

Uma tarde no vale – Storm King Art Center e Roundhouse, Vale do Rio Hudson, Nova York

The Arch, 1975 – Alexander Calder

Do mesmo jeito que esperava a estrela cadente nas noites da infância, deitada numa toalha no jardim, agora catava um urso.

Manhattan ia saindo de mim, aos poucos. Passei pelos viadutos periféricos, deixei um engarrafamento na ponte George Washington, depois umas indústrias do outro lado do rio, pequenas casas; largava coisas cada vez menores até que surgiu aquilo que os nativos lenape chamavam de weehawken (rochas que parecem fileiras de árvores), as Palisades. Era o início do meu sonho de urso, que brotou na floresta que agora margeava a estrada.

Uma semana antes, eu já vibrava com a dupla estampada no aplicativo do tempo: o desenho do solzinho amarelo, sem nuvens, ao lado de “20 graus”.

Foi Andrea que veio com a ideia do Storm King Art Center, um museu de esculturas a céu aberto no meio do vale do rio Hudson. Para se ter uma ideia da escala, Inhotim tem 390 hectares entre área de visitação e reserva natural. Aqui, ao todo, são 500. É gigantesco.

Já tinha cheiro de artistas, aquela área. Na metade do século 19, o rio era importante rota comercial e de turismo, viabilizando o crescimento de Nova York, ao sul. O ponto era perfeito para pintores que retratavam o vai e vem dos barcos e as dramáticas nuvens que se formavam constantemente em torno da montanha Storm King, ao fundo.

Em 1958, Ralph Ogden arrematou 200 hectares de terra na região e comprou as primeiras esculturas nos anos 60, fundando o museu. A coleção que se restringia à área em torno da sede acabou crescendo e tomando cada canto da propriedade, ganhou merecida importância e, algum tempo depois, a cereja do bolo: uma gentil doação de mais 300 hectares para que a paisagem seguisse intocada.  

Nem dá para explicar a escala das coisas. “O arco” de Calder, com seus 15 metros de altura, nos recebeu na entrada como um imenso cão de guarda que garante a humildade de quem visita o parque.

Vi muitas famílias, gente de toda idade, cada uma a seu passo, e descobri que tenho particular atração por espelhos, desde que não me reflitam. “Fallen Sky”, de Sarah Sze (obra que enfrentou o desafio de uma montagem no meio da pandemia) e “Mirror Fence”, de Alyson Schotz, foram duas de minhas obras preferidas. No outro lado do espectro, a linda escultura em cedro de Ursula von Rydingsvrd, lembrou as escavações de minha mãe.

Dezenas de peças me encantaram por motivos diferentes, fosse pelo movimento que o vento emprestava ao objeto, como no giratório de George Rickey; pela cor vermelha das obras de Alexander Liberman, que rasgavam a paisagem pastoril; ou pela aparente impossibilidade física de uma peça como “Suspended”, de Menashe Kadishman, que parecia querer desabar sobre os passantes.

A bolha no pé, fruto de uma sandália errada (por que diabos não pus meu tênis?) me lembrou a fome, esquecida com tanta boniteza. Era hora de partir para Beacon.

Um programa nasceu para o outro, tanto porque rima em beleza quanto em praticidade. A cidadezinha, como tantas que ficam a pouco mais de uma hora de Nova York, é daquelas lindinhas, com a vida que gira em torno da rua principal que, apesar da escala mínima, tem antiquários, joalherias, roupas de grife e (impossível não notar) a presença imponente das corredeiras que atravessam a pequena ponte. E ali, num dos pontos mais lindos da cidade, se pode almoçar no Roundhouse.

Encontramos um pátio animadíssimo que não aceita reservas e só existe quando o tempo permite, mas garanto que é grande o suficiente para não deixar ninguém esperando muito tempo, num dia de sol.

Fazendas, destilarias e vinícolas próximas abastecem a casa de comida “americana moderna”, com muitas saladas, pequenos pratos e massas, todos com ingredientes da estação. Há algo de terapêutico no barulho das corredeiras. Quem discorda pode escolher o salão interno, projetado sobre o rio, com mais vista e menos som. Lá dentro, as reservas nos dias em que o pátio não abre, não só são desejáveis como recomendadas. Brindamos a alegria de um dia perfeito com um tocai friulano simples, fresco e correto, de uma vinícola a 40 minutos dali.

Lembrei da estrela cadente dos jardins da infância que nunca aparecia, mas rendia assunto. Cada um de nós, ali na grama, passou a vida fingindo que o importante era ela, mas assim como o urso (que também não vi), era só desculpa para voltar.

para a coleção completa e mais informações: stormking.org

roundhousebeacon.com

“Mirror Fence”- Alyson Shotz
Fayette: For Charles and Medgar Evers – Charles Ginnever. Todo o passeio, no campo ou floresta.
The Roundhouse, um restaurante adorável.
A vista do restaurante